24 junho 2014

As Qualidades de uma Mulher de Honra, por Leslie Ludy


"Ela é morta para interesses próprios: uma mulher de honra precisa primeiro morrer para poder viver. Cristo precisa se transformar em seu tudo, até mesmo acima de seus desejos por romance, amor, casamento, família, carreira, ministério, ou conquistas. Cristo disse, “Se alguém vier a mim, e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda também a sua própria vida, não pode ser meu discípulo” (Lucas 14:26).
Uma mulher de honra é como Maria de Betânia, que de bom grado derramou sua benção mais sagrada e preciosa no altar diante de Deus. Ela não se agarra aos seus próprios direitos mas esvazia a si mesma para que os propósitos de Cristo sejam cumpridos. Amy Carmichael disse bem:
Não há ganho a não ser pela perda
Não há vida a não ser pela morte
Nem glória a não ser pelo carregar da vergonha
E aquela eterna paixão diz,
“Seja esvaziado de glória e de direito e de nome.”
(Amy Charmichael, Divine Paradox)
Ela é confiante em Cristo: uma mulher de honra precisa ser segura em seu caminhar porque ela conhece seu Comandante. Ela sabe que seu Rei é fiel em todas as coisas, e ela pode confiar nEle totalmente. Ao invés de se preocupar, se agitar e manipular, ela ora e espera pelo Senhor, sabendo que Ele provê todas as coisas de que ela precisa para a vida e para santidade. Ela não precisa trabalhar duro para se tornar auto-confiante porque toda sua confiança está em Cristo somente.
Ela é valente: Provérbios 31 mostra o poder maravilhoso de uma mulher de honra. “Mulher virtuosa quem a achará?” (v. 10). A palavra virtuosa aqui vem de um substantivo masculino que significa “força, poder, valor”. Uma mulher de honra é forte, valente, valorosa, cheia de força e poder. Ela tem uma força sobre-humana porque sua força vem de Deus. Ela tem um valor inestimável. Ela valentemente pisa em qualquer coisa que se encontre no caminho dos propósitos de Deus. Nada a impede. Sua vida demonstra o triunfo, glória e vitória de Deus.
Ela resgata os mais fracos: uma mulher de honra precisa estar preparada para lutar em favor dos mais fracos e oprimidos, disposta a abrir mão de sua segurança e conforto para lutar as batalhas de seu Rei. Ela estende a mão para o pobre e para os necessitados (cf. Provérbios 31:20).
Amy Carmichael resgatou mais de 1000 crianças da prostituição do templo, e ela criou cada uma delas no temor do Senhor. Gladys Aylward guiou 200 crianças por um período de 6 semanas em segurança, em meio à guerra; e sozinha ela parou um motim sangrento em uma prisão masculina. Catherine Booth corajosamente foi até favelas e chamava bêbados ao arrependimento. Jackie Pullinger viveu em meio a membros de gangues e prostitutas, arriscando sua própria segurança. É isso que significa lutar as batalhas de nosso Rei.
Ela é uma defensora do decoro: uma mulher de honra não fofoca, calunia, trai, critica, ou reclama. Seu discurso deve ser gracioso e respeitoso em todo momento. Ela não tem prazer no mundo e em suas práticas. Ela deve sempre representar a glória e natureza de seu Rei em suas palavras.
Ela tem um espírito controlado: uma mulher de honra não se deixa prender pelos charmes da sexualidade, pela sedução do álcool, ou pela fascinação das riquezas. Ela deve estar indisponível para as luxúrias da carne, fechada para os convites para se comprometer, e deve ter uma mente limpa e forte em todo tempo. As tentações do mundo não devem ser admiradas por ela, nem mesmo por um momento. Ela não tem prazer no mal, mas se regozija na verdade.
Ela é incapaz de violar sua consciência: uma mulher de honra mantém sua consciência sagrada. Sua palavra é sua obrigação, sua aliança inquebrável. Ela não mente. Ela não manipula. Ela não controla os outros. Ela é uma mulher de integridade genuína. Os outros podem confiar em suas palavras. Tanto seu marido celestial quanto o terreno têm total confiança nela (cf. Provérbios 31:11). Ela não viola sua consciência por nenhum preço.
Ela é marcada por pureza e virtude: uma mulher de honra deve demonstrar a disposição real do Céu. Ela armazena respeito com a pureza e retidão de sua vida. E ela deve estar disposta a afastar aqueles, mesmo os mais próximos companheiros, que a desviam do caminho estreito da cruz. Ela deve ser pronta para perdoar e tardia para irar-se.
Ela não tem medo da morte: uma mulher de honra está pronta para abrir mão de sua vida terrena pela causa de seu Rei. Como Vibia Perpetua, que pereceu em uma arena romana aos 19 anos de idade, como um mártir cristão, ela não deve contar sua vida como preciosa para si mesma, mas alegremente derramá-la em favor dAquele que deu a ela tudo.
Ela não é escrava de ninguém/nada além de Cristo: uma mulher de honra nunca está sob o dedo da tirania de ninguém. Ela não é uma escrava das luxúrias da carne, da aprovação do mundo, ou das pressões da cultura pop. Se ela sofrer aprisionamento físico por sua fé em Cristo, sua alma não poderá ser tocada ou aprisionada.
Ela intocada pela opinião do mundo: uma mulher de honra recusa adoração e adulação, mas aponta para o Céu. Ela não toma a glória que é devida ao seu Rei. Ela não se importa com louvores ou acusações, mas procura somente a opinião do Todo-Poderoso. Uma mulher de honra encontra sua confiança no sorriso de Deus e não de homens.
Ela possui grande estabilidade interior: uma mulher de honra precisa possuir um interior estável. Ela sente grandes emoções, mas ela não é escrava de seus sentimentos. Uma mulher de honra tem um espírito firme e não desaba emocionalmente, mesmo nas circunstâncias mais severas e graves."


Escrito por Leslie Ludy e retirado do livro “The Lost Art of True Beauty”

4 comentários

  1. Muito bom essa palavra voltado ao público feminino. Deus abençoe grandemente. Estou te seguindo; quando puder, conheça também meu blog.

    www.ezequiel-domingues.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado.Amém irmão!
      :D

      Excluir